Coleta de dados é concluída: 7.029 respondentes de todo país participaram da pesquisa

04/10/2021 13:38

Com participação de 7.029 jornalistas de todo o país, a pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho” concluiu, na sexta-feira (1º de outubro), a etapa de coleta de dados. O estudo foi lançado em 16 de agosto com o objetivo de atualizar levantamento realizado em 2012 e compreender como as transformações sociais, tecnológicas e econômicas atuam no perfil da categoria.

Para um dos coordenadores da pesquisa e professor do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, Samuel Lima, a articulação e mobilização de entidades da área, grupos de pesquisa e figuras da profissão foram essenciais no andamento do estudo. “Houve um belo trabalho da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ/SBPJor), que envolveu pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras. Aliado a isso, o apoio da Fenaj, Abraji, ABI, APJor, SBPJor e Abej foi essencial para que conseguíssemos reduzir a margem de erro dos resultados para 2%”, ressaltou Lima.

Na avaliação do professor Jacques Mick (UFSC), também coordenador do estudo e professor dos Programas de Pós-Graduação em Jornalismo e em Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina, “foi muito bom superar a marca dos sete milhares hoje – é a maior pesquisa que já fizemos desde que começamos com esse trabalho, 10 anos atrás. Realizamos coletivamente tudo o que fixamos como objetivo: 1.175 respostas em SP, oito estados acima de 300 respostas (MG, SC, RJ, CE, BA, sendo os quatro últimos acima de 400, PR, RS e DF). TO e ES ficaram acima de 200 respostas, uma excelente contribuição”. Mick acrescenta ainda que os resultados permitirão os estudos regionais: “O Norte somou 834 respostas e nos permitirá um olhar inédito e detalhado para aquela região. Ou seja, numa frase: temos material suficiente para um estudo nacional, cinco estudos regionais e nove estudos estaduais. Só falta escrever!”.

Com 95% de grau de confiança, foram recebidas respostas de profissionais de todas as 27 unidades federativas do Brasil, sendo o Estado de São Paulo com maior número de respondentes, com 1.175 respostas. “Queremos agradecer a participação de todos que tiraram um tempo para responder ao questionário e reforçar que a pesquisa contribuirá diretamente para que possamos compreender as nuances do campo do jornalismo no país”, observou Lima.

Próximos passos

Com os dados coletados, a equipe de pesquisadoras e pesquisadores, que reúne 17 profissionais e discentes de Programas de Pós-Graduação em Jornalismo e Sociologia Política, se reúne no dia 14 de outubro para planejar o trabalho de análise e interpretação dos dados e sua plena divulgação (livro, e-book, artigos científicos, conferências, lives etc.).

Ainda dá tempo de participar da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021”

29/09/2021 12:16

Você é jornalista e trabalha na mídia, fora da mídia ou na docência? Então participe da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho”. Amanhã é o último dia para coleta de dados para o levantamento que pretende apontar as características profissionais e condições de trabalho dos jornalistas de todas as regiões do país.

O questionário pode ser acessado por meio deste link surveymonkey.com/r/perfiljornalista

A proposta da pesquisa é ampliar o panorama sobre o perfil profissional dos jornalistas brasileiros, atualizando os dados obtidos na primeira edição do estudo realizada em 2012. Até o momento, mais de seis mil profissionais de todas as regiões do Brasil já participaram da pesquisa, o que ultrapassa a marca de 2012, que atingiu cerca de 5 mil jornalistas.

As respostas obtidas serão referência para que se compreenda o universo laboral da profissão no Brasil, como as condições de trabalho a que a categoria está submetida e os níveis de precarização da atividade. Também tem por objetivo identificar características sociodemográficas desses/as profissionais como gênero, identidade racial, remuneração e funções exercidas, além de procurar entender o seu perfil político, levantando aspectos relacionados a perspectivas ideológicas e engajamento social.

O Perfil do Jornalista Brasileiro é uma pesquisa construída coletivamente, a partir da iniciativa da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR). A coordenação do trabalho é dos Programas de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR) e Sociologia e Ciência Política (PPGSP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com a execução do Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC). Um corpo de 17 pesquisadores voluntários também se dedica ao desenvolvimento do estudo.

Conta ainda com o apoio de entidades nacionais de jornalistas como a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a Associação Profissão Jornalista (APJor), a Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR), a Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ) e a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM).

Recebimento das respostas à pesquisa de Perfil do Jornalista Brasileiro 2021 encerra em sete dias

24/09/2021 13:49

A equipe da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021” entrou em contagem regressiva: faltam apenas sete dias para o encerramento da etapa da coleta de respostas, agendado para dia 30 de setembro. O acesso ao questionário é feito pelo link: surveymonkey.com/r/perfiljornalista, e todos os dados coletados são anônimos, reunindo informações de jornalistas atuando em três categorias, “trabalho na mídia”, “trabalho fora da mídia” e “trabalho em docência”.

Recentemente a equipe de pesquisadoras e pesquisadores celebrou a marca de 5 mil respostas, além de ter conseguido alcançar o número de respostas por estado necessário para reduzir a margem de erro dos resultados para 2%. Ainda assim, o coordenador da pesquisa, Samuel Lima, reforça: “é muito importante que os colegas jornalistas que ainda não conseguiram responder, tentem reservar um tempinho para participar”. Ele ainda ressaltou que por meio das respostas será possível obter um raio-x da categoria no Brasil.

Esta é a 2ª edição da pesquisa que foi realizada originalmente em 2012, que além de atualizar as informações para a nova década, busca também incluir neste mapeamento dados sobre a precarização do trabalho, condições laborais que afetem a saúde de jornalistas e os efeitos das inovações tecnológicas. “É por isso que lhe pedimos, se você é jornalista e ainda não respondeu ou conhece colegas que podem ainda não ter respondido, participe ou compartilhe o link da pesquisa”, ressaltou Lima.

Sobre o Perfil do Jornalista Brasileiro 2021

O projeto envolve pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras e é uma realização da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR). Os Programas de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR) e Sociologia e Ciência Política (PPGSP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) são responsáveis pela organização da pesquisa, que está sendo executada pelo Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC).

Nove entidades nacionais da área apoiam institucionalmente o estudo: Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Profissão Jornalista (APJor), Associação Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR) e a Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ). A Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM) também ofereceu apoio na divulgação e mobilização de respondentes ao questionário.

Coleta de Perfil do Jornalista Brasileiro 2021 se encaminha para reta final

15/09/2021 13:01

A pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho” está entrando em sua última quinzena, com a data final para recebimento de respostas do questionário marcada para dia 30 de setembro.

O acesso ao questionário é feito pelo link: surveymonkey.com/r/perfiljornalista, e todos os dados coletados são anônimos, reunindo informações de jornalistas atuando em três categorias, “trabalho na mídia”, “trabalho fora da mídia” e “trabalho em docência”.

Sobre esse período final do recebimento de respostas, um dos coordenadores da pesquisa e professor do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, Samuel Lima disse que: “Nesse momento estamos concentrando nossos esforços em alguns estados, especialmente São Paulo, que é o único onde ainda não alcançamos o número de respostas necessário para reduzir nossa margem de erro para 2%”. Ele reforça o pedido para que, além de responderem, os jornalistas também compartilhem o questionário com colegas de profissão de todo o país.

O estudo tem o objetivo de atualizar os dados obtidos em 2012, quando a primeira edição da pesquisa foi realizada, e ampliar o levantamento incluindo aspectos como precarização do trabalho, condições laborativas que afetam a saúde e efeitos das inovações tecnológicas. Essas informações têm sido utilizadas como referência em pesquisas sobre jornalistas brasileiros ao longo desses nove anos.

Entre os aspectos identificados pela pesquisa estão a divisão por gênero, cor-raça, escolaridade, salário, função e outros estratos sociodemográficos. Também as relações entre indicadores políticos – como autoidentificação ideológica e taxa de sindicalização – e vetores como formação superior e registro profissional. Serão verificadas ainda questões ligadas às mudanças na profissão que impactam diretamente o trabalhador, como condições de trabalho e de saúde dos/das jornalistas brasileiros/as.

A segunda edição do Perfil do Jornalista Brasileiro é articulada através da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR). Os Programas de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR) e Sociologia e Ciência Política (PPGSP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) são responsáveis pela coordenação da pesquisa, que está sendo executada a partir do Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC).

Além dessas pesquisadoras e pesquisadores voluntários, o estudo também conta com o apoio de entidades nacionais de jornalistas que estão mobilizadas para fazer o questionário circular entre seus associados. Entre elas estão a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a Associação Profissão Jornalista (APJor), a Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR), a Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ) e a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM).

Perfil do Jornalista Brasileiro 2021 divulga primeiro balanço de respostas ao questionário

23/08/2021 15:57

Até o momento, mais de 2,3 mil jornalistas responderam à pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro 2021. Esse é o balanço da primeira semana de aplicação do questionário, disponível em surveymonkey.com/r/perfiljornalista, que tem como objetivo compreender quem são, como trabalham e se organizam jornalistas que atuam na mídia, fora da mídia e em docência, em todas as regiões do país.

A investigação, iniciada na última segunda-feira (16), busca atualizar a pesquisa realizada em 2012, que detalhou as características demográficas, políticas e de trabalho desses profissionais. Além disso, a segunda edição do estudo irá ampliar o levantamento incluindo aspectos como precarização do trabalho, condições laborativas que afetam a saúde e efeitos das inovações tecnológicas.

De acordo com um dos coordenadores da pesquisa, o professor dos Programas de Pós-Graduação em Jornalismo e em Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina Jacques Mick, a primeira semana de coleta de dados traz aspectos em comum e também diferenças em relação à experiência de 2012. “Como naquele momento, neste ano foi possível obter mil ingressos no questionário já na terça-feira (17) e alcançar dois mil no final da semana, mas com um ritmo um pouco mais intenso do que nove anos atrás”. Ainda segundo o pesquisador, em 2012, o estado de Santa Catarina foi responsável pela maior parte das entradas de dados nos primeiros dias, já em 2021, nessa primeira semana foi possível obter respostas de todas as unidades da federação.

“Isso resulta em três consequências muito importantes. A primeira é que teremos uma base de dados com maior capilaridade de amostras em todo o território. Isso aumenta a confiabilidade geral da pesquisa. A segunda é que teremos um desenho melhor de amostras por região, o que permitirá o desenvolvimento de estudos sobre desigualdades regionais na profissão, tópico que não pudemos aprofundar na primeira pesquisa. Por fim, se o ritmo de coleta de dados se mantiver intenso nas próximas semanas, muitas unidades da federação poderão ter amostras confiáveis também no nível estadual, favorecendo comparações entre elas e os quadros regional e nacional”, explicou.

A articulação interinstitucional é considerada um diferencial para os resultados obtidos até o momento. Em 2021, o projeto envolve pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras, organizados pela Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ). O professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará (UFC) e coordenador da RETIJ, Edgard Patrício de Almeida, explica como o trabalho vem sendo feito: “essa capilaridade de respostas justifica-se também pelo engajamento da RETIJ, que está presente em todas as regiões do país, com representantes vinculados, por exemplo, a grupos de pesquisa e que fazem essa articulação com os Estados”.

Edgard citou o exemplo do Nordeste, em que o grupo Práxis no Jornalismo (PráxisJor), vinculado à UFC, ficou responsável por fazer os contatos com outras instituições e organizações da região. “Essa situação, portanto, se replica a outras representações da RETIJ em todo o Brasil. É importante destacar que há, no primeiro momento de divulgação, uma mobilização em massa, indistinta. Mas, à medida que a pesquisa avança, é necessário articular para alcançar determinados nichos que não responderam ou não tiveram ainda acesso ao questionário”, ressaltou.

A pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro 2021 também recebe apoio de nove entidades nacionais da área: Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Profissão Jornalista (APJor), Associação Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR) e a Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ). A Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM) também ofereceu apoio na divulgação e mobilização de respondentes ao questionário.

Questionário Perfil do Jornalista Brasileiro 2021 é lançado nesta segunda-feira

16/08/2021 07:00

A partir desta segunda-feira (16), já é possível responder ao questionário da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho”. Para participar, de forma anônima e gratuita, basta acessar o link: surveymonkey.com/r/perfiljornalista. O público-alvo são jornalistas profissionais que trabalham em três segmentos: mídia, fora da mídia e docência, em todas as regiões do país.

Este é um estudo representativo da categoria, que busca compreender quem são, como trabalham e se organizam os jornalistas brasileiros. A investigação irá atualizar e ampliar levantamento demográfico desenvolvido em 2012, estimando a divisão por gênero, cor-raça, escolaridade, salário, função e outros estratos sociodemográficos. Também analisará as relações entre indicadores políticos – como autoidentificação ideológica e taxa de sindicalização – e vetores como formação superior e registro profissional. Serão verificadas ainda questões ligadas às mudanças na profissão que impactam diretamente o trabalhador, como condições de trabalho e de saúde dos/das jornalistas brasileiros/as.

“Esperamos atingir um número expressivo de jornalistas para que os resultados reflitam a realidade desse campo profissional. A todas e todos que fazem parte dessa categoria, pedimos que participem da pesquisa e também nos ajudem a divulgar esse trabalho”, ressalta Samuel Pantoja Lima, coordenador geral do estudo.

O projeto envolve pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras e é realizado pela Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR). Ela conta com o envolvimento de e está sendo executada pelo Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC). A organização do projeto é feita pelos Programas de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR) e Sociologia e Ciência Política (PPGSP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A iniciativa conta com o apoio institucional de nove entidades nacionais da área: Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Profissão Jornalista (APJor), Associação Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR) e a Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ). A Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM) também ofereceu apoio na divulgação e mobilização de respondentes ao questionário.

Live de lançamento

Para marcar a segunda edição do estudo será realizada uma live com a participação das entidades que apoiam a pesquisa. A transmissão será a partir das 19h, no Canal do Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSCassista a transmissão).

O evento vai debater a relevância desse tipo de estudo para a defesa e fortalecimento do jornalismo e da profissão.Para isso irá contar com a participação de representantes das entidades parceiras da pesquisa: Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Profissão Jornalista (APJor), Associação Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR), Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ) e Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).

O debate terá ainda a participação do coordenador da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ/SBPJOR), Edgard Patrício. A mediação será feita pelo coordenador geral da pesquisa, Samuel Pantoja Lima, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Live marca início da pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro (2021)

14/08/2021 10:00

Quem são os jornalistas brasileiros, em quais setores atuam, como são suas condições de trabalho e de saúde? A partir desta segunda-feira (16), o Perfil do Jornalista Brasileiro (2021) busca compreender essas e outras questões junto a trabalhadores da mídia, fora da mídia e da docência em jornalismo. Para marcar a segunda edição do estudo será realizada uma live com a participação das entidades que apoiam a pesquisa.

A transmissão será a partir das 19h, no Canal do Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC – bit.ly/2XqG8xw).

O evento vai discutir a relevância desse tipo de estudo para a defesa e fortalecimento do jornalismo e da profissão e para isso contará com a participação dos representantes das seis entidades nacionais parceiras da pesquisa: Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Profissão Jornalista (APJor), Associação Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR), Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ) e Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ).

O debate terá ainda com a participação do coordenador da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ/SBPJOR), Edgard Patrício. A mediação será feita pelo coordenador geral da pesquisa, Samuel Pantoja Lima, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Em 2012, a primeira edição do Perfil do Jornalista Brasileiro ofereceu um primeiro panorama representativo sobre o setor e as principais áreas de atuação dos jornalistas do país, com 2731 respostas válidas. Nove anos depois, o desafio da segunda edição é ampliar a representatividade e compreender como as transformações sociais, tecnológicas e econômicas moldaram o perfil da categoria. Por isso são abordadas questões demográficas, sobre representação social e política, condições de trabalho e de saúde.

São convidadas a participar, todas as pessoas que se identificam como jornalistas e atuam no setor, com vínculo formal ou informal. O estudo contempla questões gerais e específicas para quatro diferentes grupos: jornalista da mídia (imprensa, veículos alternativos, arranjos independentes); jornalista que atua fora da mídia, em outros setores como assessoria de imprensa, comunicação organizacional, jornalista que atua na docência, e jornalista sem trabalho no momento.

O questionário da pesquisa será aberto nesta segunda-feira (16) e o link para responder estará disponível nos canais oficiais do projeto e também de seus parceiros. A participação é gratuita e anônima. Para saber mais, acesse: https://perfildojornalista.ufsc.br/.

Sobre o Perfil do Jornalista Brasileiro 2021

O projeto envolve pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras e é uma realização da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR). Os Programas de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR) e Sociologia e Ciência Política (PPGSP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) são responsáveis pela organização da pesquisa, que está sendo executada pelo Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC).

Pré-teste da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021” é finalizado

29/05/2021 19:20

Encerramos a aplicação do pré-teste da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho”. Participaram do questionário 94 jornalistas, divididos entre todas as regiões do país e que atuam na mídia, fora da mídia e em docência.

Com os resultados, será possível avaliar a clareza de entendimento das questões produzidas e realizar os ajustes necessários para então disponibilizar o questionário ao público do estudo.

Fiquem ligad@s que em breve traremos mais novidades sobre a pesquisa.

Pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021” inicia pré-teste

08/05/2021 08:00

 

Neste sábado (8), foi iniciado o pré-teste da pesquisa “Perfil do Jornalista Brasileiro 2021: características sociodemográficas, políticas, de saúde e do trabalho”. A versão preliminar do questionário ajudará a avaliar e a testar a clareza no entendimento das questões produzidas nesse instrumento de coleta de dados.

Participarão cem jornalistas, divididos entre todas as regiões do país, e que atuam na mídia, fora da mídia e em docência. O pré-teste leva em torno de 10 minutos para ser preenchido e os selecionados para participar deverão respondê-lo até o dia 22 de maio.

Neste primeiro momento, os organizadores da pesquisa escolheram os cem jornalistas participantes que irão responder as questões, no intuito de verificar se o fluxo do questionário está correto.  Após esta etapa de verificação, serão realizados os ajustes necessários no questionário, para então disponibilizá-lo posteriormente ao público do estudo.

A pesquisa de atualização do Perfil do Jornalista Brasileiro é realizada pelos Programas de Pós-graduação em Jornalismo e de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em colaboração com a Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJOR).

Pesquisa que investigará perfil do jornalista no Brasil conta com apoio da SBPJor

07/05/2021 08:00

“O Perfil do Jornalista Brasileiro constitui em uma investigação necessária e de grande fôlego, conduzida por estudiosos sérios e competentes, com grande capilaridade na academia”. A frase é do presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), Marcos Paulo da Silva.

A SBPJor é uma das entidades apoiadoras desta pesquisa que pretende atualizar o levantamento realizado em 2012 sobre as características demográficas, políticas e de trabalho dos três segmentos principais da categoria: na mídia, fora da mídia e em docência.

De acordo com Silva, a iniciativa permite estabelecer um diagnóstico do profissional jornalista no Brasil. “Isso mostra-se essencial para a compreensão do fenômeno e para a consequente intervenção crítica na realidade social, papel sempre apoiado por uma associação de pesquisa como a SBPJor”, ressaltou.

Sobre a associação

Criada em novembro de 2003, a Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo busca agregar estudiosos de uma área específica do conhecimento e tem como propósito atuar em conjunto com todas as demais associações científicas ou acadêmicas ou profissionais já existentes.

A entidade pretende estimular a articulação de uma rede nacional de pesquisadores em jornalismo a fim de que se possa constituir um lugar privilegiado, tanto para a apresentação de trabalhos, quanto para a formação de redes para pesquisas específicas.

Para saber mais sobre a associação acesse o link: http://sbpjor.org.br

  • Página 1 de 2
  • 1
  • 2